EDUCAÇÃO: NADA MUDOU!

24 de março de 2019 0 Por Jonas Filho

Quando o atual prefeito chegou ao poder, pensava-se que ele não apenas tinha derrotado o grupo dominante, imaginava-se que dar-se-ia início a uma nova forma de fazer políticas públicas em Caxias. Pelo menos isso era o que o povo esperava que viesse a acontecer, visto que as propostas eram alvissareiras em todos os setores, principalmente na educação. As promessas enchiam de esperança pais, alunos e professores. Dentre as mais empolgantes, destacavam-se a compra no comércio local de tudo da educação, o respeito aos profissionais efetivos e contratados, e o inovador programa “Professor de bem com a vida”, que funcionaria como plano de saúde para todos os mestres do município. Não custa nada lembrar do que foi dito na campanha pelo então candidato Fábio Gentil: “ o professor é quem é responsável pelo nosso futuro. Temos que valorizá-lo. É o mínimo que podemos fazer…”. Com estas propostas e promessas, não tinha como não ser vitoriosa a campanha de 2016.

Hoje, dois anos e três meses após a vitória, que nem ele acreditava, nos deparamos com uma situação totalmente diferente da prometida. A educação de Caxias vive um dos piores momentos da sua história, pois atualmente, por mais incrível que pareça, algumas coisas permanecem iguais e outras infelizmente ele conseguiu piorar. Dentre as questões em que não houve nenhuma mudança perceptível estão: o início do ano letivo, a remuneração dos professores e a merenda escolar. Quanto ao início das aulas, não houve nenhuma mudança, continua como era antes, sem qualquer justificativa razoável, iniciando atrasado e com o quadro de professores e funcionários incompleto, o que compromete o cumprimento da carga horária mínima das disciplinas e consequentemente o aprendizado dos alunos. Tendo como referência o início do ano letivo da rede estadual, o governo passado começava sempre atrasado, e o atual deu continuidade a esse atraso, e até o momento não há nenhuma sinalização de mudança dessa situação. Com relação à valorização dos professores, o atual prefeito fez tudo, menos valorizá-los. A tabela salarial do magistério, defasada em governos anteriores, continua com a mesma defasagem. É bom frisar que era o próprio prefeito, enquanto vereador de oposição, que gritava na tribuna da Câmara municipal, que Caxias era o município que pagava o pior salário da região e que tal situação tinha que mudar. Nada mudou! No que diz respeito à merenda escolar, a promessa era de, além de melhorar a qualidade, comprar tudo no comércio local. A qualidade em nada melhorou e quanto a ser fornecedor, qualquer um pode ser, desde que seja ligado a algum vereador governista e esteja disposto a passar até quatro meses para receber.

Pra não dizer que a educação pública caxiense em nada difere da gestão passada, houve uma inovação, sem dúvida, pioneira no Brasil. Pena que o pioneirismo da gestão gentilista, que faz qualquer coisa, mesmo sendo ao arrepio da lei e da lógica, para “economizar” dinheiro, foi no sentido de desvalorizar e desrespeitar o professor como mestre e trabalhador. Sem dúvida é a primeira vez que se ouviu falar em professores contratados por apenas quatro meses, mesmo os contratos sendo feitos no início do ano letivo. Um fato que chama a atenção é que mesmo a pasta da educação contando com mais de 16 milhões de reais de saldo (saldo de R$ 16.667.609,91), só no mês de fevereiro de 2019, no município praticamente não há a mínima assistência as escolas e creches da rede municipal. Em uma rápida visita é possível encontrar condicionadores de ar sem funcionamento há anos, portas e janelas quebradas, lâmpadas queimadas e banheiros entupidos. Também é fácil perceber que nenhuma reforma de escola está em curso, e uma única está sendo construída, a da Vila Paraíso. A tudo isso soma-se o fato da drástica redução do número de professores contratados. Eram 1200 no governo passado e hoje não passa de 600, segundo um vereador governista. E o “Professor de bem com a vida”, que seria um plano de saúde, prometido pelo então candidato, hoje soa com um tom debochativo nos ouvidos dos mestres que estão diariamente na porta da prefeitura protestando pelo pagamento do abono e valorização da categoria. Tudo isso, demonstra com nitidez e riqueza de detalhes o quanto a educação não é levada a sério na atual gestão e o quanto precisamos evoluir e saber escolher os nossos governantes para vislumbrar uma educação condizente com o nosso município, num futuro bem próximo.


(Visualizações: 13 vezes | 1 visitas hoje)